Conta-nos Como Foi

Conta-nos Como Foi, por Rafaela

21:28 Branco Menta 0 Comments


Há pessoas que mesmo não tendo nada a ver connosco cativam pela sua simpatia. E neste segundo Conta-me Como Foi, trago-vos uma dessas pessoas - a Rafaela.
"Conheço" a Rafaela há alguns anos sem nunca ter convivido com ela pessoalmente. Sempre a considerei uma das pessoas queridas que o mundo dos blogues me deu a conhecer. Aproveitei então o facto de a Rafaela ser casada, para partilhar comigo e com vocês a experiência dela.

A Rafaela e o João namoraram 3 anos e dois dias. Queriam ter casado no dia do aniversário de namoro, mas tal como vos disse numa outra publicação que aqui fiz no blogue, por vezes temos que abrir mão de datas importantes. Neste caso, como o dia 27 de Novembro calhava a uma quinta-feira, tiveram que casar a 29 de Novembro. E apesar de ter sido um sábado chuvoso, não estragou o dia mais feliz e importante deste casal (ou um dos dias mais importantes, pois o casal já tem dois filhotes. Acredito que nascimento dos filhos seja sempre O DIA mais importante da vida dos pais) :D


- Branco e Menta: O que vos levou a tomar esta decisão de casar?
Casei nova para os padrões de hoje em dia... 25 aninhos! Por isso imensa gente me dizia “mas és tão nova...” e eu sempre respondi a mesma coisa. Quando se encontra alguém que se sabe que é a pessoa certa, não interessa se se namora 10 anos ou 1 ano. Tem que acontecer. Queríamos estar juntos, e sentíamos que tínhamos de casar primeiro. Não só para agradar a alguns familiares, como para satisfazer o meu sonho de menina de casar, e a nossa vontade de uma vez na vida, termos um dia especial com toda a família e amigos.



- Branco e Menta: Com quanto tempo de antecedência começaram a preparar o casamento?
Com uns 14 meses de antecedência, talvez 15. Recordo-me que comecei a ver quintas ainda era verão! Quanto mais cedo melhor, odeio estar sob stress.

- Branco e Menta: Consegues escolher um dos melhores momentos do dia?
Ui! Tantos! Entrar na igreja foi o maior... O corte do bolo também... Foi um dia memorável, todo ele uma enorme bela recordação. Mesmo o facto de ter chovido e trovejado foi para nós um bom sinal... Tendo em conta a mitologia que escolhemos, podemos dizer que até o Thor nos abençoou!


- Branco e Menta: Foi difícil a escolha do local do copo de água? Conheceram quantas quintas antes de se decidirem pela vossa?
Foi um pouco pois tínhamos um orçamento limitado, mas queríamos qualidade na mesma. Pesquisei dezenas de quintas, pedi orçamentos a umas 10 e visitei umas 5! Decidimo-nos pela nossa devido à relação qualidade/preço da comida, e ao facto de não ser uma quinta enorme cheia de jardins (que são mais caras) pois, casando em Novembro, a hipótese de não usarmos os espaços exteriores era enorme... E constatou-se... Choveu a potes!

- Branco e Menta: Tiveram algum tema como inspiração? Qual?
Sim, mitologia nórdica! Algo que agradava a ambos! Tudo se baseou em deuses e deusas com design adequado ao tema. E Roxo! Tinha que ser tudo em roxo e derivados.



- Branco e Menta: Qual foi a vossa primeira dança?
Era suposto ter sido a Linger dos Cranberries... Mas eu esqueci-me de a gravar e levar, e o DJ não tinha! Por isso acabámos por dançar outra qualquer e anos mais tarde, dançámos a Linger num concerto de Cranberries. Embora não tenha sido a 1ª dança, foi sempre a música que ficou na memória e no coração.

- Branco e Menta: Uma das questões principais nos casamentos é o orçamento: onde gastaram mais dinheiro e onde conseguiram poupar ao máximo?
Gastamos mais dinheiro na quinta. Quisemos fazer uma festa grande, por isso a maior fatia do orçamento foi mesmo para isso.
No entanto poupámos em tudo o resto. As lembranças foram feitas por uma empresa de brindes (e não por alguém que faz lembranças). Tudo o que era de convites, marcadores, placard com as mesas, cartões de agradecimento etc., foi tudo feito pelo João (que é motion/graphic designer) e impresso em casa, excepto os convites que foram numa gráfica. Ficam muito em conta.
Poupámos imenso em fotografia e vídeo. O vídeo foi um amigo do João que ofereceu, pois era o que fazia da vida, e os fotógrafos foram levados pelo tal amigo e cobraram-nos uma ninharia.
Outra coisa em que poupámos balúrdios foi na decoração da igreja. Na Igreja onde casamos, mudam as flores 2 vezes por semana. Falei com a senhora que decora a igreja e pedi-lhe se nesse sábado podia estar decorada em branco, ela concordou, e apenas levei 2 arranjos para os altares, e toda a igreja estava linda em branco, de graça!


- Branco e Menta: O que mudou nas vossas vidas agora que são casados?
Tudo, pois nunca tínhamos vivido juntos! Foi uma adaptação de personalidades e manias. Mas é tão bom estar sempre perto de quem amamos! E não ter que ir a algum lado só para estarmos juntos!



- Branco e Menta: Que conselhos dão a futuros noivos?
O maior conselho é aproveitarem o dia ao máximo... Não stressarem com coisas minúsculas, tipo “aiii e se não há saquinhos de arroz que cheguem?”. Porque isso não vai importar para nada. Ninguém se vai lembrar disso, muito menos nós! O dia passa a correr. Façam as coisas à vossa maneira.
Também aconselho a não gastar balúrdios no casamento, pois embora seja o nosso dia especial, não é preciso uma fortuna para o ser. É muito, mas mesmo muito fácil entrar em exageros quando estamos a planear um casamento. Autocontrolo é imperativo.

You Might Also Like

0 comentários: